Cerrar

Iansã - Orixá de Umbanda

Ampliar Video Enviar el video por emailEnviar video No Reproduce  
  Encuentra Amigos
Compartir:
E-mail Twitter FaceBook MySpace del.icio.us Google Bookmarks Live Meneame
Relacionados + Recientes + Vistos
Recibe los mejores videos en tu email
Tu correo electrónico: Delivered by FeedBurner
Top 10 videos mas vistos
Iansã - Orixá de Umbanda
Uma humilde homenagem a Orixá de nossa fé PONTOS DE IANSÃ Iansã, Orixá da Umbanda, Rainha do nosso Congá, Oi saravá Iansã lá na Aruanda, Eparrêi, o eparrêi, Iansã venceu demanda! Iansã, sarava Pai Xangô, No céu um trovão roncou, E lá na mata o leão bradou, Saravá Iansã! Saravá Xangô! Oyá é moça rica, ela é filha de xangô. (bis) Iansã chegou na umbanda, no seu reino saravou.(bis) Iansã, Oh Iansã ... Segura seu arerê Iansã. Segura seu arerê. (bis) Iansã é um Orixá feminino muito famoso no Brasil, sendo figura das mais populares entre os mitos da Umbanda e do Candomblé em nossa terra e também na África, onde é predominantemente cultuada sob o nome de Oiá. Em termos de sincretismo, costuma ser associada à figura católica de Santa Bárbara. Iansã costuma ser saudada após os trovões. Ao mesmo tempo, ela é a senhora do vento e, conseqüentemente, da tempestade. Nas cerimônias da Umbanda e do Candomblé, Iansã, ela surge quando incorporada a seus filhos, como autêntica guerreira, brandindo sua espada, e ao mesmo tempo feliz. Ela sabe amar, e gosta de mostrar seu amor e sua alegria contagiantes da mesma forma desmedida com que exterioriza sua cólera. A figura de Iansã sempre guarda boa distância das outras personagens femininas centrais do panteão mitológico africano, se aproxima mais dos terrenos consagrados tradicionalmente ao homem, pois está presente tanto nos campos de batalha, onde se resolvem as grandes lutas, como nos caminhos cheios de risco e de aventura - enfim, está sempre longe do lar; Iansã não gosta dos afazeres domésticos. Sua energia está fortemente relacionada com as intempéries, com os ventos e ainda com os raios. Num plano mais específico, Yansã rege o aparelho respiratório e o sistema glandular humanos. Isso demonstra a forte ligação deste Orixá com o elemento ar e o elemento fogo, respectivamente. Sua atuação no elemento fogo determina sua atuação sobre a energia fundamental que compõe a bioenergética humana e que o hinduísmo chama kundalini. Esse fluxo está localizado na base da coluna, sede do primeiro chakra. Ensinam os Vedas, livros sagrados da ciência do Yoga, que na kundalini reside tal serpente recolhida no primeiro chakra. O caminho espiritual de qualquer sacerdote estaria profundamente relacionado com a subida desta força do primeiro até o sétimo chakra passando por todos os outros e abrindo, para o praticante, as portas de todos os mistérios da iniciação e da iluminação. Nossa Umbanda entende essa mesma energia chamada kundalini com o nome de Yansã. Seus filhos apresentam o arquétipo da impaciência, ambição e boa memória. São hábeis, se expressam com facilidade, julgando-se superiores aos demais. São exuberantes, extrovertidos, engraçados, francos, firmes e honestos. São independentes e casadoiros, tendendo à infidelidade. São bastante ciumentos e sensuais. São rancorosos, ríspidos, exigentes e gostam dos jogos de azar. Não são organizados. Não gostam muito dos afazeres domésticos, mas são trabalhadores. São temperamentais em excesso e autoritários. Yansã é um Orixá feminino com energia masculina. É a dona das paixões violentas. Suas filhas falam sem pensar. Sabem usar da clareza, sendo, muitas vezes agressivas. Seus filhos têm sede de aprender, não parando muito tempo em um lugar. São dinâmicos. Não toleram a rotina. Como energia viva, pulsante e vibrante, é o desejo sexual. Seus filhos costumam ser viris, se apaixonam violentamente, têm desejos incontidos e sentimentos mais fortes que a razão. Primeiro agem e depois é que pensam. É o Orixá que faz nossos corações baterem com força e cria em nossas mentes sentimentos mais profundos, abusados, ousados e desesperados. É a total falta do medo das conseqüências. É o ciúme doentio, a inveja suave (a inveja mais pesada é da Oxum). Bibliografia: Matheus H. A. de Macêdo e Luiz Antonio Martins O Sacerdócio na Umbanda - Compêndio do Templo do Vale do Sol e da Lua http://www.casaiemanjaiassoba.com.br/iansa.html -- acesso em 12 de outubro de 2010
Tu nombre
Tu Email
Destinatarios Mensaje
Elige tus destinatarios desde:

Importar contactos desde:

Tu Email
Tu Clave
...
Video Enviado por anonimo el 19/04/2014 21:24 PM
En: